Arquivos
  • 08/2005
  • 09/2005
  • 10/2005
  • 11/2005
  • 12/2005
  • 01/2006
  • 02/2006
  • 03/2006
  • 04/2006
  • 05/2006
  • 06/2006
  • 07/2006
  • 08/2006
  • 09/2006
  • 11/2006
  •  
    Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
     
    eXTReMe Tracker

    31.10.05


     
    NOVELA "DAS OITO" DA GROBO...

    Quer acompanhar a novela?
    Quer estrebuchar de rir?
    Então vá conhecer a SAGA DA MULÉ APITO.
    E aproveite para encomendar o novo livro da Fal. Sua vida não será mais a mesma! :)


    7:07 da tarde



     
    REALIDADE ONÍRICA
    Para definir como as coisas estão, recorrerei ao tio Aurélio. Tirem suas conclusões...
    onirismo[De onir(o)- + -ismo.]Substantivo masculino 1.Psiq. Alucinação visual sob a forma de sonho vivido, muitas vezes, com grande intensidade, e que pode surgir no curso de estados confusionais, ocorrendo, com freqüência, em intoxicação alcoólica.
    ***
    Da série: Sugestões
    A cada dia, no ambiente profissional, surgem novos conceitos.
    Claro que a tática é sempre a mesma: uma nova versão de uma mesma coisa...
    Eu teria uma sugestão que revolucionaria vários mercados.
    Ao invés de baias, estações de trabalho, mesas e cadeiras, podiam substituir tudo por um mini palco, com muitas luzes coloridas e até um mini camarim...
    Acho que muitas "questãs" se resolveriam.
    Quanto as máscaras utilizadas, não tenho nenhuma sugestão a dar... Uma hora elas caem ou é preciso tirá-las, nem que seja para lustrar a cara de pau.
    Estou pensando em providenciar a minha, já que sou péssima artista/atriz e não fico a vontade nos palcos.
    Melhor não... ficar na cara e na coragem é melhor, ainda que eu não tire proveito de nada, no máximo uma maquiagem mais caprichada...é que eu quero ter um prazer solitário quando ver as máscaras cairem...


    12:21 da tarde


    30.10.05


     
    NA CONTRAMÃO
    Imagine uma noite muito chuvosa, aquela chuva que caiu forte e de surpresa.
    Você tenta procurar abrigo, apesar de saber o quanto é delicioso se deixar molhar pela chuva e que há muito, muito tempo não faz isso.
    A razão fala mais alto e você corre. De salto alto, precisa se apoiar em alguém.
    No momento em que faz isso, leva um choque. Um choque mesmo, daqueles te fazem dar um pulo.
    Você olha para a pessoa e vê a mesma expressão de espanto. Só ela pode falar de sua expressão e você da dela.
    Quando isso acontecer com você, perceberá que foi um dos momentos mais românticos da sua vida... Assim, totalmente involuntário e não premeditado...


    2:05 da tarde


    25.10.05


     
    Referendo? Evitei ao máximo comentar sobre esse assunto, até porque existem pessoas mais habilitadas para fazer.
    Até porque sempre encarei isso aqui como um cantinho de sublimação, beirando ao umbiguismo mesmo...
    Confesso que para cada argumento "sim" encontrava um "não", mas isso não significa lógica nem bom senso.
    O resultado está aí, a "sociedade" deu o seu recado, mas, para mim, não justifica.
    Eis que ELA, BRILHANTEMENTE, DEFINIU TUDO!
    É exatamente com essa sensação que fiquei...


    10:49 da manhã


    24.10.05


     
    SE FORES PATRULHADO, LOGO TU EXISTES

    Já perceberam que existe patrulha em e para tudo nessa experiência terrena?
    Nesses dias de muito calor é que me dou conta disso.
    Reforçando a tese de que eu não sou desse mundo, assumo que não sou tão fã de praia, apesar de viver no Rio de Janeiro.
    Multidão, muito barulho, fico meio zonza. A persona anti social fica bem exasperada.
    Tá, não chega a ser um "não gosto" com "n" maiúsculo e irredutível.
    Se... for bem cedinho ou no fim da tarde.
    Se... eu estiver viajando.
    Se... a companhia for especial.
    Etc...

    Na minha cidade não tem dado não...

    Sinto um calor absurdo, fico abafada, sempre entra areia nos meus fundilhos.
    O meu "visu" fica longe de parecer "bronzeado", parece que fui açoitada.
    Meu negócio é sombra e água fresca, não tem jeito.
    Uma graminha para deitar e ler um livro, bater um papo, brincar com minha deusa.
    Um banho de cachoeira refrescante.
    Adoro um meio de mato. Mas...confesso que gosto de uma praia à noite, o que, convenhamos, já um outro cenário, nem serve muito de exemplo.

    O calor mal começou e já perdi a conta das vezes que me perguntaram:

    *E aí, não vai aproveitar o sol e pegar um "bronze"? (bronze? Hahaha, se der mole eu volto num visual "tomatinho apetitoso". Tá bom para a sua saladinha?)
    *Porque você não aproveita o sol e vai à praia se "queimar"? (queimar? Hahaha, não, obrigada, eu tenho uma certa desconfiança que já fui queimada na fogueira em outra encarnação, aliás, em algumas passagens dessa também, é bem verdade).
    *Não vai pegar uma corzinha hoje não? (Vou... vou sim a cor de "burro quando foge", é liiiindaaa).
    *Nossa, no calor é que se vê como você branquinha... (Putz, só no calor? Quem ouve/lê assim pensa que abuso dos decotes, fendas e comprimentos. Hahaha. Pô, presta atenção no frio também que vai ver que a cor é a mesma).

    E outras colocações nessa linhagem...
    Sério, parece até uma conspiração.
    Até a minha cria fala: Mãe, você é uma branca. Branca de Neve. Mas ela tem licença poética, não conta. Só que revela a minha identidade secreta, hohoho.

    Vamos ao meu apelo:
    Patrulheiros(as), por gentileza, respeitem o direito de não ser tããão fã de praia.
    Me deixe ser branquela! Obrigada!

    Um pedido especial:

    Revertam as patrulhas em torcida para que eu ganhe na mega sena e possa desbravar as praias selvagens do mundo afora (e ainda comprar um carro com ar condicionado!)
    Prometo não usar muito filtro solar fator de proteção 50.
    Quem sabe volto até com marquinha de biquíni... quem sabe não levo alguns de vocês?
    Obrigada again!
    Fiquei até coradinha de alegria! Quase uma batatinha sautéé.


    3:49 da manhã


    19.10.05


     
    VOCÊ SENTE QUE ALGUMA COISA ESTÁ FORA DA ORDEM QUANDO:

    *Sua analista pede para que você volte no dia seguinte, é muito importante, pois você precisa exteriorizar seus sentimentos e não se prender a fatos.

    *O seu ex tenta, ridiculamente, esconder a atual aliança de compromisso pondo a mão no bolso, quando vai buscar a filha.

    *O cachorro (animal doméstico mesmo) que sempre dorme no quarto contigo resolve fazer um doce e não entra com você, nem quando você o chama, como de costume. Arrepende-se e fica chorando pentelhosamente do lado de fora. Você até pensou em aplicar um corretivo nele (!!!), mas desiste, pois ele é mesmo insistente...
    * Você fica sonhando com o personagem projetado e o roçar de sua barba por fazer em seu rosto, não consegue esquecer a sensação boa que isso causou. E fica muito puta por isso.

    Adicione uma dose cavalar de TPM... Vixe...


    7:37 da tarde


    18.10.05


     
    AINDA DA SÉRIE (vai render): CONVIVENDO COM HOMENS...

    Enquanto espero meus papéis saírem quentinhos da impressora, o amigo XX, para matar seu tempo de espera, dá inicio as brincadeirinhas infames, puxa meu cabelo, pisca, manda beijinhos, uma coisa, assim, quase circense.
    Tento uma "pedalada" mais agressiva (como se isso funcionasse com eles).
    Eu: Pô, ainda não aprendeu que onde se ganha pão não se come carne?
    Amigo XX: Nem ligo, sou vegetariano, minha couve flor...


    9:12 da manhã


    17.10.05


     
    A PARADA É FEDERAL. E lhe é imposto, não adianta fugir, vão beber na sua fonte...

    O dia inteiro em um curso sobre tributos e suas obrigações acessórias.
    Sono monstruoso.
    Não sei o que se passa, já não me concentro como antes.
    Saber que o governo te obriga a fazer o trabalho dele me sufoca. A "máquina administrativa" me enoja e eu já não danço tão bem conforme a música.
    A quantidade de decretos e instruções normativas me dá vontade de sair gritando.
    Ou de distribuir nariz de palhaço nas ruas a todos cidadãos que pagam impostos.
    Aliás, você sabia que "imposto" é um dos tipos de tributo? O que isso muda a sua vida, né?
    Fico achando que nossa última chance seria encarnamos Lampiões e Marias Bonitas e ir à Brasília resolver tudo na peixeira.
    Rezemos para não termos problemas com a Receita Federal... Declare o seu imposto de renda corretamente, não o deixe cair na malha fina, preencha o DARF (não sabe o que é? Pô é o documento de arrecadação da receita federal, eu acho...), recadastre seu CPF, senão você corre o risco de passar a madrugada na fila para "pegar o número" para conseguir atendimento.
    Sabia que neguinho cobra R$ 100 pilas por um lugar na fila?
    Hahaha, é mais do que o honorário profissional para preparar uma declaração de imposto de renda.
    Sabe o que significa CPMF (que eu pago, tu pagas, ele paga...)?
    É contribuição PROVISÓRIA sobre movimentação financeira.
    O curioso é perceber que o conceito de provisório é tããão flexível...
    É um provisório-permanente, sacou? Não? Pô, você acha mesmo que esse "P" (não pense palavrão...) é a toa?
    Quisera eu poder aplicar o conceito de "provisório-permanente" na minha vida. Vixe!

    Definitivamente, eu não me comporto como uma cientista dos números. Quem me conhece sabe que eu não sei fazer conta.
    E pensar que eu me especializei nisso... Juro! E para mostrar que é bom, é só decorar umas cinqüenta alíquotas que... CLAP CLAP CLAP!
    Não é possível, botaram algum cogumelo no meu chá... Sinceramente!!!

    Ah, e ainda tem o conceito de imposto "por dentro" e "por fora". Freud tinha razão, tudo tem um fundo sexual. Neguinho devia estar pensando em sacanagem quando criou isso, não é possível novamente...

    E o grande aprendizado da palestra que realmente assimilei foram algumas palavras do palestrante:

    "Cachorro mordido por cobra tem medo até de lingüiça"
    hahahaha!

    É, o governo, a secretaria da receita federal devem ter realmente decepcionado o tiozinho...
    E viva as metáforas!
    ***

    FIM DE DOMINGO...

    Domingo à noite é chato.
    Domingo à noite insuportavelmente quente e você está em casa salivando por um chopinho amigo que não rola, é mais chato ainda. Insuportável.
    Assistir a Juliana Paes e sua famosa lordose na tv é demais, é o fim.
    Cadê a faquinha de plástico do rocambole "pullman" (ou seria Plus Vita?) de doce de leite para cortar os pulsos? Vixe!
    Tá, passou, passou...


    5:52 da tarde


    14.10.05


     
    "...You shut your mouth
    How can you say?
    I go about things the wrong way
    I am human and I need to be loved
    Just like everybody else does..."

    (How soon is now? The Smiths)

    Da série: Você é o que come!

    Resolvo experimentar as ervilhas refogadas que meu irmão preparou.
    Meméia, que não me deixa sossegada um minuto, fala: Você vai comer isso aí? Porque?
    Eu: Vou sim! Ah, é tão bonitinha... E saudável, né?
    Meméia: Você come as coisas porque são bonitinhas? Ou porque são gostosas? Ou porque te fazem bem? Em primeiro lugar tem que ser gostosa, né? Tem que apetecer... Encher a boca d' água... Fazer salivar...
    Eu: Meméia, você tem certeza de que está falando de comida?


    Da série: Respostas que vem e vão

    Depois de muitos chopes, pastéis, papos doidos e risadas, chego a conclusão da resposta para a pergunta que tanto me fizeram. Assim, do nada.
    Porque você se separou?
    Sempre ouvi dizer que só sabemos se é amor quando a paixão acaba.
    A paixão acabou.
    E eu não pude com o amor.
    Não era nada do que eu imaginei, do que me falaram, do que projetei, do que acreditei.
    Nem parei para pensar se era bom ou ruim. Apenas não pude com ele.
    Era tudo perfeito demais e essa perfeição me desmoronou.
    Me dei conta que estávamos bebendo, comendo pastéis e rindo à três quadras de minha antiga casa.
    A sensação de paz me intrigou, seduziu e me tirou do eixo.
    Me deu vontade de aplicar um "golpe de estado". Me contive. Nada mais importa.
    É melhor o amor surgir e ir quando quiser.
    Darei esse direito, não quero fazer dele meu prisioneiro, muito menos amaldiçoa-lo.


    6:11 da manhã


    13.10.05


     
    "Pirulito que bate bate, pirulito que já bateu
    Quem gosta de mim é ela, quem gosta dela sou eu"

    * A menininha estava sonhado e cantando essa música. Cantava sorrindo. Uma cena lindíssima. Ainda fiquei observando seu sono, imaginando com o que deveria estar sonhando e assim adormeci.

    * Pela manhã, ela me acorda cantando essa mesma música, os bracinhos debruçados na cama, os cachinhos negros soltos e os olhinhos brilhando. Cantando e me observando.
    Assim que abro olhos ela fala: Bom dia! Levanta! Vem comer um pão quentinho, tá na mesa.
    Claro que isso é um blefe. Esse pãozinho quentinho não existe. A menininha é muito esperta e no fundo, no fundo sabe que tê-la como a minha primeira visão ao acordar, já é motivo mais que suficiente para que eu me levante com todo gás.

    *Ai, ai. A manhã foi tão bacana e divertida que até esqueci que o moço dos olhos verdes que nos acompanhava não ficaria o dia inteiro. Talvez porque eu estivesse meio hipnotizada com o contato dos dois.
    E ela, tal como a mãe (só que de forma muito, muito mais inteligente) também fez uma birrinha para chamar a atenção. E ele cedeu. E ela também não quis dar tchau.

    Ai, ai... ***Suspiros***

    Da série: Tal pai, tal filho

    Pai/mãe que leva o filho para programa furada, merece como prenda um micão. Nada mais justo.
    Depois de uma manhã agradável e divertida, ao ar livre, a mãe insiste em levar a cria na festinha do condomínio.
    A menininha está a todo vapor brincando no "pula-pula". E a mãe está com seu óculos-abelha rezando para que ninguém puxe assunto. Paciência zero para papear com adultos sem noção que ficam se estapeando por cachorro quente, sorvete e refrigerante.
    De repente, a menininha pede para sair do brinquedo e aponta para um outro.
    Não! Digo eu, logo de cara.
    Uma espécie de boi bandido infantil, o tal touro mecânico.
    Explico que não é para a idade dela, que ela pode se machucar, etc. Sinto que meus argumentos não funcionam e tenho que agir rápido.
    A menina está com calor, sono e quer montar no boi bandido. Aquariana com ascendente em leão... Está irredutível.
    Eis que surge a idéia: a mamãe vira o cavalinho! Que tal?
    A menina: Eu quero!
    Então, a mãe anda quadras e quadras até chegar em casa, carregando a menininha nas costas, debaixo de um sol violento e ainda com direito a sonoplastia.
    \O/

    Eu estava estremecida com Meméia (minha amiga imaginária... ou não, hehehe).
    O fato estava me causando certa agonia, mas eu procurava minimizar.
    Eis que Meméia briga com Zizo (meu outro amigo imaginário... ou não, hehehe)
    Finjo que não fiquei feliz. Mas fiquei... Só assim ela vai parar e refletir.
    O que acontece?
    "Alinhamos nosso entendimento"(*) e a paz volta a reinar!
    Logo depois, ela alinha não só o entendimento, mais tudo o que tem direito com Zizo também (espero!).
    Agora sim, meu mau humor é eliminado.
    O ponto alto é a declaração de amor torta de Meméia: Sabe do que mais senti falta esse tempo todo?
    Eu: Não! Do que?
    Meméia: Das suas roupas! Nossa, estava me fazendo uma falta! Mas o meu orgulho me impedia de me aproximar delas...

    (*) Essa expressão é tão, mas tão usada no meu meio (ui!) profissional, que só rindo...
    Um jeito esdrúxulo de falar: Concordamos?


    6:50 da manhã


    11.10.05


     
    "...Vão falar que você não é nada
    Vão falar que você não tem casa
    Vão falar que você não merece que anda bebendo e está perdido
    E não importa o que você dissesse
    Você seria desmentido
    Vão falar que você usa drogas e diz coisas sem sentido
    Se eu for ligar para o que é que vão falar não faço nada..."
    (O Mundo - Capital Inicial)

    Resquícios da influência do universo masculino em meu comportamento:

    Depois do almoço, eu e meus amiguinhos fomos comprar sorvete.
    Eu, do nada, comecei a reparar as pessoas saboreando a guloseima.
    Comecei a achar muito estranho adultos tomando sorvete. Abre o bocão, fecha o bocão, limpa com a língua o derretidinho... PARA!
    Podem reparar, há uma certa lubricidade nessa atividade tão simples e prazerosa...
    Ou a minha cabeça está mais imunda do que eu pensava mesmo.
    Achei melhor pedir um sorvete no copinho para tomar de colherzinha.


    11:02 da manhã


    10.10.05


     
    Projeto: Definindo os dias em trechos de música (salvo algumas exceções)

    "...chega de passar a mão na cabeça de quem te sacaneia... DECLARE GUERRA a quem finge te amar, declare guerra..."
    (Declare guerra, Barão Vermelho)

    "... I need your arms around me
    I need to feel your touch
    I need your understanding
    ... You're never there. You're never ever ever ever there"
    (Never There - Cake)

    ***Café quente e pedaços de chocolate tem adoçado as minhas tardes***


    11:50 da manhã


    8.10.05


     
    Da série "Não tem preço"
    Um sábado bem quente e você não gosta de sentir calor. Só gosta do calor humano.
    O sábado está livre, mas não vê como preenche-lo. Um livro, um filme, descanso.
    O resultado é a realização de tarefas que você não conseguiu dar conta durante a semana.
    Você não se entende com si mesma e isso vai te incomodando. Quem já te conhece sabe que você é assim mesmo, que só precisa relexar. Parar de pensar em detalhes.
    Resolve "tentar" colocar a vida virtual-mais-que-real em dia e dá de cara com isso aqui:
    "Clau, vc é apenas um bebê, fofo e quilido"
    Vindo DELA, dona do DROPS mais fabuloso da blogosfera.
    e ainda recebe beijos públicos no blog que nunca teve coragem de comentar e confirma aquela máxima "nunca te vi, sempre te amei" HAHAHA, tô rindo à toa sim. E com gosto.
    É o colo que você precisava, que você ainda precisa e não nega. Se levanta, se olha no espelho, dá um sorriso e vê que clicou nos lugares certos na hora certa.
    NÃO TEM PREÇO!
    Ah, isso tudo começou por AQUI.
    Que dispensam apresentações, a palavra que encontro para definir é FODA, no melhor e mais libertador sentido que essa palavra pode significar.
    Percebo que elegi o sábado para um brinde a todos os laços virtuais que construí, a todas, todas amigas maravilhosas que a internet me trouxe!
    E vejo que tinha que ser solitário mesmo, afinal, por mais que explicasse ninguém entenderia mesmo o que tudo isso representa. Elas sabem... Cheers!


    3:40 da tarde


    7.10.05


     

    Trabalhando com homens ou "08 horas no universo masculino"

    No atual "layout" do escritório, tenho 06 homens à minha volta. Pude confirmar algumas coisas, dentre elas é que de 09 coisas que eles falam, 10 tem sexo e sacanagem no meio. Exemplo: O moço telefona para um fornecedor e o início da conversa é "e aí, meu camarada, como vai? Tudo bem? Como vai aquela recepcionista gostosa? HAHAHAHA, mas o que eu queria falar sobre a certificação é..."

    Situações (de destaque) engraçadas/bizarras:

    1) Amigo A: Vamos almoçar no restaurante de comida nordestina?

    Eu: ah, não vai dar, vou fazer depilação.

    Amigo A: Porra, para de palhaçada. Faz isso outra hora.

    Eu: ???

    Amigo A: Não sou eu que vou ver mesmo e de mais a mais, ninguém repara nisso não, garota. Vamos embora...


    2) Como de praxe, costumo ser um pouco estabanada. Deixei minhas impressões cair no chão e o Amigo B me ajuda a catar os papéis. Com uma certa morosidade, convenhamos. Certamente olhando para outro lugar, mas preferi não dar crédito a essa suposição.

    Eu: Pô, brigadão, cara...

    Amigo B: De nada... Tu morre fácil, minha filha!


    ??!! Assim, na lata.


    3) Amigo C: Mulher é um bicho tão ruim, mais tão ruim, que sangra por cinco dias e não morre.

    Todos: Hahaha, é mesmo. Diabas. Bichos do cão.

    Eu: É, o pior de tudo é que sangramos para por jegues como vocês no mundo.

    Todos: (em uníssono) HAHAHA, continua, continua, que ela é altamente pilhável...


    4) Amigo D: Vem até minha mesa pela manhã e diz: Bom dia, querida! Tudo bem? (com a cara mais engraçada do mundo)

    Eu: Bom dia, mas que palhaçada é essa de vir aqui? Fala logo o que quer...

    Amigo D: É que você está verdinha hoje (blusa verde). Quando estiver madurinha, passa lá na minha mesa, tá? HAHAHA!!!???


    5) Chego do almoço e vejo o Amigo E esbaforido e resmungando que o banheiro estava ocupado.

    Pergunto: O que houve?

    Amigo E: (me olhando esquisito) nada, vou ao banheiro.

    Pensei: Tadinho, deve estar com dor de barriga.

    Eis que todos os outros estão se desfazendo de tanto rir. Rindo muito.

    Pergunto: O que foi gente?

    Eles: Nada, nada.

    Eu: Poxa, não vão me contar? Isso não vale...

    Amigo F: Tá bom... É que baixou um exu no Amigo E e ele está procurando um banheiro individual para se divertir com as três revistinhas que comprou... HAHAHAHA

    Eu: Mas tem que ser agora?

    Amigo F: Porra, e isso lá tem hora? Você nunca...

    Eu: Nem vem que não vou compartilhar nada com você.

    Amigo F: HAHAHA

    *** Passa meia hora***

    Eu: Poxa, mas o Amigo E está demorando hein?

    Amigo F: De repente ele não está conseguindo estabelecer uma conexão, sabe?

    Eu: Não sei não e não adianta que não vou mesmo falar nada.Finalmente volta o Amigo E, todo sério, meio mal humorado.

    Todos (eu, inclusa): Tentando rir disfarçadamente... Até que a pomba gira aqui não agüenta e solta uma gargalhada.

    Amigo F: Pô, não fica assim não, cara. Terça feira vamos lá naquela parada mesmo.

    Eu: Que parada, gente?

    Todos: Ahhh, nessa você está de fora. Mulher nunca guarda segredo mesmo...


    O lado fofo: Descem no meio da tarde para comprar tapioca com coco e leite condensado porque estou "muito calada" (como se não quisessem voar e dar uma matadinha no trabalho...), trazem chocolate "batom", muffins, copiam DVDs bacanas e ainda convidam para a "reza" na igrejinha toda sexta feira. Sim, sou a única espécime do gênero feminino por ali...

    Para finalizar, ainda mandam mensagens assim:

    "Um dia, a rosa encontrou a couve-flor e disse:

    - Que petulância te chamarem de flor! Veja sua pele áspera e a minha lisa e sedosa. Veja seu cheiro desagradável e meu perfume sensual e envolvente. Veja seu corpo grosseiro e o meu delicado e elegante... Eu, sim, sou uma flor!!!

    E a couve-flor respondeu: "Que adianta ser tão linda se ninguém te come..."

    E ainda comentam a mensagem: E couve flor pode ser gratinada, a milanesa. 1001 variações... Abelhaaaa (me chamando), conhece receitas com couve flor? HAHAHA


    E eu reclamei do ?layout? do novo escritório, né? Retiro todas as reclamações : )



    11:11 da manhã


    6.10.05


     
    Ah, ainda sobre a CAMPANHA "NAMORE UMA MÃE SOLTEIRA"

    Depois de ter divulgado para várias pessoas (a palavra ainda não tinha voado quando ela foi criada), recebi dois pedidos de adesão e até uma proposta de casamento.
    Então, para as "patrulhas", é até engraçado que continuem não entendendo piadas. É que fico morrendo de rir...


    4:26 da tarde



     
    Ah, roubei também... Fazer o que se a moça do Torpor só encontra coisa bacana? :)

    Cybernetic Logical Assassination Unit

    A-d-o-r-e-i!

    E essa é minha persona alcóolica, hohoho:

    Malevolent Abomination from the Ruined Legendary Abbey


    3:23 da tarde



     
    Porque promessa é dívida... Ou: jabá público à uma AMIGA

    Porque ela acreditou em mim quando nem eu mesma acreditava, começou a fazer parte da minha vida e me lembrou quem eu sou de verdade.

    "As maravilhas de cada mundo" - Clarice Lispector

    "...cada pessoa tem em seu mundo sete maravilhas. Quais? Dependia da pessoa..."

    1- Beleza. Não é futilidade. Além dos traços fortes, marcantes, e da pinta que só ela e Cindy Crawford tem. É bela até dizer chega. Física e emocionalmente.
    2- Amizade. É amiga daquelas difíceis de encontrar. Amiga visceral. Dá colo, bronca, carinho e liberdade.
    3- Respeito. Consegue impor respeito sem grandes sacrifícios. E respeita as pessoas de uma forma singular.
    4- Autenticidade. Verdadeira, é o que é. Sem poses. Sem rodeios.
    5- Boa ouvinte. Saber ouvir não é para qualquer um. Ela simplesmente ouve com a alma também, de coração aberto e processa tudo numa rapidez de raciocínio fulminante. Muitas vezes responde com um olhar.
    6- O olhar. Ah, o olhar derruba um exército, dá colo, derrete gelo e incendeia também.
    7- Felipe. Porque sete é o número da perfeição. Quando eles se olham nos olhos, dão as mãos e sorriem um para o outro... eu já não preciso explicar mais nada...

    Eu poderia listar mais. Mas prefiro ser fiel ao texto... sete.


    11:06 da manhã


    5.10.05


     
    E todo dia 05 eu volto a me sentir como um dos personagens de THE EDUKATORS. Especialmente como a moça que bate com seu carro velho na traseira do carrão do milionário e passará a vida inteira em dívida, vivendo para pagar o prejuízo.
    Como disse a Nanda, a moça da minha especiaria preferida,chorando ou não, a dor de cabeça é mesmo inevitável...
    ***

    Embora eu não concorde totalmente, essa passagem do livro do G.G Márquez, é interessante para farsantes/românticos incorrigíveis como eu.

    "...O sexo é consolo que a gente tem quando o amor não nos alcança..." (Memórias de minhas putas tristes ? Gabriel García Márquez)

    No meu atual estado e estágio, espero que o amor não me alcance.
    Se me alcançar, que não se interesse por mim.
    Se interessar-se que me deixe, ao menos, chama-lo por outro nome...


    6:19 da manhã


    4.10.05


     
    Ato Falho

    Reparei que venho cometendo ato falho em relação a minha idade.
    Perguntam e falo a idade antiga. Quando percebo, já passou algum tempo para corrigir. E eu teria que dar explicações. E nem sempre gosto de me explicar.
    Seria receio do "retorno de saturno"?
    Ah, não importa!
    Chego a algumas conclusões. Não estou como e onde imaginei que estaria. Me vejo no meio de uma adultescência. Me sinto mais tranqüila, boba, porém tensa.
    Sempre tive espírito de velhinha.
    Aos 21, por exemplo, eu me cobrava por estar prestes a terminar a faculdade e não ter escolhido uma segunda ou não ter planejado a pós graduação, me perguntava quando viria o filho, me orgulhava de ter sido emancipada aos 20, comemorava quatro anos de casada e por aí vai.
    Não vivi metade das coisas que muitos viveram, mas vivi coisas que muitos nunca irão viver.
    Me prendi na gaiola porque quis e confesso que as vezes sinto muita falta dela.
    Isso tudo para que? Para nada, divagar não adianta. Ir devagar e sempre sim.
    Especular só se for para passar o tempo mesmo.
    Hahaha, será que isso pode assustar os mocinhos mais novos? Ou pode aumentar a condição de ímã? Seriam os sobrinhos o retorno de tudo que reneguei no passado?
    Ih, lá estou eu divagando novamente...

    Quer saber? Tudo é atemporal. Estamos submersos na atemporalidade. Quanto tempo faz um monte de coisas na sua vida? Quantos anos, meses ou dias?
    Exemplinhos? O que faz você conhecer uma pessoa há "tão pouco tempo" e ter a sensação de a conhecer a vida inteira? E o inverso?
    A cronologia te faz sentir mais seguro?
    Ai, ai, uma grande besteira, grande devaneio.

    Para sacramentar o "retorno de saturno":

    Legião Urbana - Vinte e Nove

    Perdi vinte em vinte e nove amizades
    Por conta de uma pedra em minhas mãos
    Me embriaguei morrendo vinte e nove vezes
    Estou aprendendo a viver sem você
    (Já que você não me quer mais.)

    Passei vinte e nove meses num navio
    E vinte e nove dias na prisão
    E aos vinte e nove com o retorno de Saturno
    Decidi começar a viver.

    Quando você deixou de me amar
    Aprendi a perdoar
    E a pedir perdão.

    E vinte e nove anjos me saudaram
    E tive vinte e nove amigos outra vez.


    5:59 da manhã


    3.10.05


     
    Momento de recolhimento afetivo

    "Esta é uma fase de introspecção afetiva, de reflexão de como têm sido os seus relacionamentos. O período envolve a idéia de acalmar a sede de amor, dando um tempo em relação às buscas externas, voltando-se mais para dentro da própria alma.
    Em suma, cuidar das próprias feridas, pois sempre existe uma!"


    Medo, muito medo do Personare
    ***
    Diálogos insólitos do finde:

    Isso é uma tatuagem?
    Não, é um ferimento de guerra.

    Porque as pessoas aqui só se vestem de preto?
    Devem gostar da cor, oras!

    Para finalizar... como o moço ainda insistia...
    As pessoas aqui são o que? Góticas, punk, metaleiras?
    As pessoas eu não sei, eu sei que sou uma abduzida. E assexuada.

    Bip. Bip.
    ***
    *Ah, só para constar: Eu olho, olho, olho. Gosto muito de olhar. Mas não mordo (a não ser que peçam, hohoho, e mesmo assim não arranco pedaço).

    *Vampiros? Sim, são deveras interessantes e ainda tem fama de ótimos amantes. Mas no momento, tem que ser um Van Helsing, para o bem de todos...

    *Ouvi de uma transeunte: Nada me abala, no máximo, estremece! Hahaha, vou adotar!


    4:34 da manhã


    2.10.05


     
    O Tombo
    Cair é desagradável. Você não tem como evitar, não adianta descobrir o que causou e ainda pode se machucar.
    O interessante é que dá margens à várias metáforas. É algo mais forte te jogando no chão.
    Daí você se dá conta o quanto cai. Cai em contradição. Cai na conversa dos outros. Cai nos seus pensamentos. Cai de quatro.
    Eu vou atrás do motivo - um chão molhado - mas isso é o que menos importa. O mais interessante é quando levanta, nem repara se está muito machucado, se conseguiu andar é o que importa. Os possíveis hematomas você vai descobrindo depois.
    E o tombo teve vários desmembramentos. O principal foi descobrir que Édipo na verdade era um grande Narciso.
    E que a minha síndrome de nossa senhora ainda vai me levar à cruz.
    Não tem jeito, preciso adicionar uma dose de insensibilidade na minha vitamina diária. Talvez resolva. Ou talvez atraia alguns masoquistas.
    Como não existe investimento sem risco...
    Não adianta, detesto mesmo rótulos e coisas muito óbvias.
    E vale o antigo conselho de minha virtuosa mamy: "Quem desconfia muito é porque faz".
    Prefiro pecar por excesso do que por falta. Não tolero omissão.
    Quantos pecados capitais cometemos mesmo por dia, hein?


    3:53 da tarde