Arquivos
  • 08/2005
  • 09/2005
  • 10/2005
  • 11/2005
  • 12/2005
  • 01/2006
  • 02/2006
  • 03/2006
  • 04/2006
  • 05/2006
  • 06/2006
  • 07/2006
  • 08/2006
  • 09/2006
  • 11/2006
  •  
    Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
     
    eXTReMe Tracker

    14.10.05


     
    "...You shut your mouth
    How can you say?
    I go about things the wrong way
    I am human and I need to be loved
    Just like everybody else does..."

    (How soon is now? The Smiths)

    Da série: Você é o que come!

    Resolvo experimentar as ervilhas refogadas que meu irmão preparou.
    Meméia, que não me deixa sossegada um minuto, fala: Você vai comer isso aí? Porque?
    Eu: Vou sim! Ah, é tão bonitinha... E saudável, né?
    Meméia: Você come as coisas porque são bonitinhas? Ou porque são gostosas? Ou porque te fazem bem? Em primeiro lugar tem que ser gostosa, né? Tem que apetecer... Encher a boca d' água... Fazer salivar...
    Eu: Meméia, você tem certeza de que está falando de comida?


    Da série: Respostas que vem e vão

    Depois de muitos chopes, pastéis, papos doidos e risadas, chego a conclusão da resposta para a pergunta que tanto me fizeram. Assim, do nada.
    Porque você se separou?
    Sempre ouvi dizer que só sabemos se é amor quando a paixão acaba.
    A paixão acabou.
    E eu não pude com o amor.
    Não era nada do que eu imaginei, do que me falaram, do que projetei, do que acreditei.
    Nem parei para pensar se era bom ou ruim. Apenas não pude com ele.
    Era tudo perfeito demais e essa perfeição me desmoronou.
    Me dei conta que estávamos bebendo, comendo pastéis e rindo à três quadras de minha antiga casa.
    A sensação de paz me intrigou, seduziu e me tirou do eixo.
    Me deu vontade de aplicar um "golpe de estado". Me contive. Nada mais importa.
    É melhor o amor surgir e ir quando quiser.
    Darei esse direito, não quero fazer dele meu prisioneiro, muito menos amaldiçoa-lo.


    6:11 da manhã