Arquivos
  • 08/2005
  • 09/2005
  • 10/2005
  • 11/2005
  • 12/2005
  • 01/2006
  • 02/2006
  • 03/2006
  • 04/2006
  • 05/2006
  • 06/2006
  • 07/2006
  • 08/2006
  • 09/2006
  • 11/2006
  •  
    Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
     
    eXTReMe Tracker

    13.10.05


     
    "Pirulito que bate bate, pirulito que já bateu
    Quem gosta de mim é ela, quem gosta dela sou eu"

    * A menininha estava sonhado e cantando essa música. Cantava sorrindo. Uma cena lindíssima. Ainda fiquei observando seu sono, imaginando com o que deveria estar sonhando e assim adormeci.

    * Pela manhã, ela me acorda cantando essa mesma música, os bracinhos debruçados na cama, os cachinhos negros soltos e os olhinhos brilhando. Cantando e me observando.
    Assim que abro olhos ela fala: Bom dia! Levanta! Vem comer um pão quentinho, tá na mesa.
    Claro que isso é um blefe. Esse pãozinho quentinho não existe. A menininha é muito esperta e no fundo, no fundo sabe que tê-la como a minha primeira visão ao acordar, já é motivo mais que suficiente para que eu me levante com todo gás.

    *Ai, ai. A manhã foi tão bacana e divertida que até esqueci que o moço dos olhos verdes que nos acompanhava não ficaria o dia inteiro. Talvez porque eu estivesse meio hipnotizada com o contato dos dois.
    E ela, tal como a mãe (só que de forma muito, muito mais inteligente) também fez uma birrinha para chamar a atenção. E ele cedeu. E ela também não quis dar tchau.

    Ai, ai... ***Suspiros***

    Da série: Tal pai, tal filho

    Pai/mãe que leva o filho para programa furada, merece como prenda um micão. Nada mais justo.
    Depois de uma manhã agradável e divertida, ao ar livre, a mãe insiste em levar a cria na festinha do condomínio.
    A menininha está a todo vapor brincando no "pula-pula". E a mãe está com seu óculos-abelha rezando para que ninguém puxe assunto. Paciência zero para papear com adultos sem noção que ficam se estapeando por cachorro quente, sorvete e refrigerante.
    De repente, a menininha pede para sair do brinquedo e aponta para um outro.
    Não! Digo eu, logo de cara.
    Uma espécie de boi bandido infantil, o tal touro mecânico.
    Explico que não é para a idade dela, que ela pode se machucar, etc. Sinto que meus argumentos não funcionam e tenho que agir rápido.
    A menina está com calor, sono e quer montar no boi bandido. Aquariana com ascendente em leão... Está irredutível.
    Eis que surge a idéia: a mamãe vira o cavalinho! Que tal?
    A menina: Eu quero!
    Então, a mãe anda quadras e quadras até chegar em casa, carregando a menininha nas costas, debaixo de um sol violento e ainda com direito a sonoplastia.
    \O/

    Eu estava estremecida com Meméia (minha amiga imaginária... ou não, hehehe).
    O fato estava me causando certa agonia, mas eu procurava minimizar.
    Eis que Meméia briga com Zizo (meu outro amigo imaginário... ou não, hehehe)
    Finjo que não fiquei feliz. Mas fiquei... Só assim ela vai parar e refletir.
    O que acontece?
    "Alinhamos nosso entendimento"(*) e a paz volta a reinar!
    Logo depois, ela alinha não só o entendimento, mais tudo o que tem direito com Zizo também (espero!).
    Agora sim, meu mau humor é eliminado.
    O ponto alto é a declaração de amor torta de Meméia: Sabe do que mais senti falta esse tempo todo?
    Eu: Não! Do que?
    Meméia: Das suas roupas! Nossa, estava me fazendo uma falta! Mas o meu orgulho me impedia de me aproximar delas...

    (*) Essa expressão é tão, mas tão usada no meu meio (ui!) profissional, que só rindo...
    Um jeito esdrúxulo de falar: Concordamos?


    6:50 da manhã


    Comments:
    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
     
    Enviar um comentário