Arquivos
  • 08/2005
  • 09/2005
  • 10/2005
  • 11/2005
  • 12/2005
  • 01/2006
  • 02/2006
  • 03/2006
  • 04/2006
  • 05/2006
  • 06/2006
  • 07/2006
  • 08/2006
  • 09/2006
  • 11/2006
  •  
    Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
     
    eXTReMe Tracker

    3.11.05


     
    LINHAS TÊNUES

    Minha amiga imaginária pede para falar de sexo.
    Está surpresa diante de tanta intimidade adquirida.
    O sexo que apaixona.
    Comum? Creio que não...
    Ela não chegou as vias de fato, não praticou as peripécias, não trepou - usando a minha definição preferida.
    Mas houve ato sexual, embora não o propriamente dito.
    Ela abusou dos cinco sentidos e agora ambos estão desnorteados.
    *Eles se fitaram demais, chegaram a se espelhar nos olhos um do outro. Interrompiam conversas por conta desses olhares.
    *Ouviu sua agradável voz relatando coisas que ela havia esquecido, coisas engraçadas, poesias que descambavam para uma putaria que a deixava zonza.
    *Ao abraça-lo sentiu o cheiro do seu pescoço, um pouco do suor e ficou entorpecida.
    *Ao beija-lo experimentou a sua saliva, saciou parte de sua sede e ainda saboreou a mistura leve de álcool e cigarro. Ficou com mais sede e até uma certa fome. Sua saliva virou uma espécie de bálsamo.
    *Ao toca-lo sentiu a textura de seus cabelos, apertou a sua pele e não conseguiu mais conter as suas mãos. Ao andar de mão dadas com ele, se sentiu levemente algemada.
    O que mais instiga é a certeza de que não ficarão juntos, cada um possui a sua história, precisam trilhar seus caminhos.
    Me falou ainda que o odiava em alguns momentos e nessa hora fui obrigada a interferir dizendo que ela não o odiava, odiava sua incapacidade de lidar com a situação. Como boa amiga, precisei agir como o pombo da discórdia e fui logo dizendo: Poxa, porque não deu umazinha logo, cheia de expectativas? Por estarem cheios de desejo, ia ser uma rapidinha bem decepcionante e pronto... tudo estava resolvido.
    Ela me olhou com desprezo, pois sabia que eu estava blefando no conselho.
    Só me restou a dizer o inevitável: É o homem da sua vida, guarda e cuida dele com carinho.
    Ela: Como homem da minha vida se não ficaremos juntos?
    Eu: Querida, quem disse que temos as pessoas de nossas vidas sempre ao nosso lado?
    Então ela suspirou e eu falei que a linha que separa o sexo propriamente dito do não dito era bem tênue.

    Para anima-la, ainda listei algumas linhas tênues que eu reparava em minha vida:

    *Intuição x paranóia
    *Sinceridade x indelicadeza
    *Humildade x submissão
    *Neutralidade x omissão
    *Convicção x incerteza

    Foi inútil....


    3:35 da tarde