Arquivos
  • 08/2005
  • 09/2005
  • 10/2005
  • 11/2005
  • 12/2005
  • 01/2006
  • 02/2006
  • 03/2006
  • 04/2006
  • 05/2006
  • 06/2006
  • 07/2006
  • 08/2006
  • 09/2006
  • 11/2006
  •  
    Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
     
    eXTReMe Tracker

    29.12.05


     
    COISAS SIMPLES QUE FARIAM A DIFERENÇA:

    *Massagem na cabeça
    *Massagem no corpo inteiro
    *Banho de cachoeira
    *Banho de chuva em fim de tarde ensolarada
    *Cochilo em uma rede
    *Vídeos, tempo fresquinho e cama
    *Sorrir até chorar
    *Chorar até sorrir


    9:52 da manhã



     
    Ao sair esbaforida do boteco em que estava, perdi o maravilhoso livro que estava lendo.
    Não sei se ficou na mesa do bar ou no banco do táxi.
    "Freud e a Alma Humana".
    Estava na parte de Eros e Psique.
    Estava adorando.
    O livro seria um presente, mas resolvi ler antes de presentear.
    Eros ficou para trás...
    E ter consciência disso é muito triste.
    A maior mentira em que nos fizeram acreditar é que as histórias de amor tem finais felizes...


    9:48 da manhã


    28.12.05


     
    COISAS QUE TENHO FEITO DEMAIS

    *Andar em círculos
    *Comer
    *Elucubrações sobre o nada
    *Teoria dos achismos
    *Trabalhar
    *Jogar (ainda) perolas aos porcos


    COISAS QUE TENHO FEITO DE MENOS

    *Cantarolar pela casa
    *Andar descalça
    *Lavar folhas de alface, agrião, rúcula e chicória e preparar minha salada preferida
    *Acender incensos e esvaziar a mente
    *Relaxar e aproveitar o silêncio
    *Sexo


    11:08 da manhã



     
    Mamy sempre disse que a língua é o "chicote do rabo" e que não devemos cuspir para o alto, pois pode cair em nossa cara.

    Eis a lista das afirmações que me fizeram queimar a língua (especialmente neste ano).

    *Não sei como uma pessoa consegue chegar em casa as 05:00 da manhã.
    *Eu nunca mais bebo.
    * Da próxima vez digo não.
    * Não tem mais urgência que me faça trabalhar até tarde.
    * Não gosto de homens mais novos.

    Estou assoprando a língua...


    11:05 da manhã


    27.12.05


     
    LISTAS

    Sempre fui chegada a uma listinha para passar o tempo.
    No começo desse ano, após assistir ao lacrimoso e emocionante "Minha Vida sem Mim" fiquei fixada na lista "Things To Do Before I Die" da personagem.
    Pensei em que lista prepararia e escolhi "Things To Do Before I'm Thirty".
    Afinal é o meu último ano na casa dos vinte.
    Trinta! Sempre considerei a idade do poder, o equilíbrio quase perfeito..
    Confesso que sinto um pouco de medo, esperava estar emocionalmente emancipada e mais forte.
    Enquanto isso, o retorno de saturno está mostrando ao que veio.

    Nos itens de "Coisas a fazer antes dos trinta", estavam:

    *Fazer algumas coisas pela primeira vez (ok)
    *Fazer mais uma tattoo (ok)
    *Fazer novos amigos (ok)
    *Romper com alguns dogmas (+ ou -)
    *Não levar as coisas tão a sério (+ para ? do que para +)

    E a lista foi se esvaindo...
    E constatei que vivemos as experiências quando temos que viver, independente de roteiros ou vinculações.
    Sou como estou ou estou como sou. Não faz muita diferença
    E a lista não deixa de ser um roteiro. E não precisamos de roteiros. É isso.

    Já que preciso matar o tempo no metrô, veio a lista de coisas que NÃO irão mesmo acontecer antes dos 30:

    *Não terei conhecido a Itália
    *Não estarei falando italiano fluentemente.
    *Não terei o segundo filho.
    *Talvez ainda esteja na adultescência. Tomara que não, mas se ainda estiver, não nego que continuará divertidinho.
    *Talvez me canse do papel de Jocasta que bate palma para os Édipos dançarem.
    E essa lista também é uma elucubração sobre o nada.
    Não nos damos conta, mas muitas vezes exaltamos o nada...
    Aliás, o nada ocupa um espaço significativo em nossas vidas.


    11:22 da manhã



     
    Junto-me ao coro: Wake me up when DECEMBER ends...


    11:20 da manhã


    26.12.05


     
    E o dia passa a fazer sentido...
    Como ainda há uma proximidade das datas sentimentais, quero acreditar que o Natal fez algum sentido hoje.

    No meio da tarde, recebo as mais belas rosas vermelhas que se pode imaginar, com parte dos dizeres:

    "Você é mais do que imagina"

    Emoção, coração palpitando e ... aquela sensação de pozinho de estrelas caindo sobre mim.
    Quenturinha no coração...


    11:03 da manhã



     
    ENCERRANDO AS FESTIVIDADES NATALINAS
    Ou momento "querido diário"

    Toda família tem a sua tradição natalina, oficial ou não.
    É o amigo oculto, é o famoso peru com molho adocicado da tia Carochinha, é o mesmo presente todo ano, etc e tal.
    Na minha família a tradição é escolher o dia como divã anual.
    Um "cerumano" sempre surta e resolve vomitar os recalques.
    No final, o individuo faz um mea culpa, diz que ama todos e fica tudo certo.
    Eu, milagrosamente, não bati palma para doido dançar, mas acabei pregando.
    Dentro de minha pregação, falei o seguinte:
    Dizer que ama, é muito, muito pouco.
    Todos dizem eu te amo (hahaha, até Woody Allen já tinha transformado isso em título de filme).
    Transformar isso em atitude é a questão.
    Tenta que você consegue. Só não serei a cobaia...

    Bem, voltemos a programação normal...


    4:14 da manhã


    23.12.05


     
    PROFECIAS NATALINAS

    Acho que já posso considerar minha paranóia de estimação como intuição e vice versa.
    Quando digo que a época de Natal ajuda indivíduos incautos a por para fora os recalques não é brincadeira.
    De uma baboseira doméstica, surge uma pequena discussão entre membros da família.
    A discussão toma proporções homéricas e cria um clima pesado e desnecessário.
    Como não estou diretamente envolvida, resolvo por em prática meu desligamento e me sinto muito bem com isso.
    Não senti a menor vontade de atuar como mediadora ou defender o mais fraco.
    Gostei mesmo do sabor do egoísmo saudável, afinal não era um problema meu.
    Doce sabor de vitória pessoal.

    Enquanto isso, afago recebido de uma de minhas queridas virtuosas, faz de mim uma pessoa feliz e com um sorriso de orelha a orelha.

    Deusa Mary estava inspirada:

    "Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui.
    Sê todo em cada coisa. Poe quanto és no mínimo que fazes.
    Assim em cada lago a lua toda brilha, porque alta vive".

    Fernando Pessoa


    As lágrimas de emoção são as mais gostosas de se derramar.


    8:52 da manhã


    20.12.05


     
    LUZES DE NATAL

    Ruas, lojas e shoppings enfeitados.
    Aquelas musiquinhas.
    Pessoas ansiosas comprando e consumindo, talvez só porque faça parte da confraternização.
    Talvez o desejo real de presentear nem exista.
    Confesso que gosto de admirar as luzes das árvores de natal, aquelas luzes piscando parecem pequenas estrelas, acessíveis.
    No entanto, não gosto de Natal.
    Talvez por ter poucas memórias de infância sobre a data.
    Existe uma referência torta de que é uma época que as pessoas elegem para fazer as pazes, repensar questões ou proferir todos os recalques acumulados.
    É fim de ano.
    Eu, que procuro repensar - muito, aliás - as questões independente de data, fico incomodada.
    Natal me lembra os porres de vinho barato que tomava aos 13, 14 anos.
    Cada membro da família em um canto.
    A decepção em descobrir que Papai Noel não existia.
    A parte gostosa é a inevitável troca de carinhos, principalmente, de um tempo para cá.
    O amigo oculto com as virtuosas.
    O olhar de alegria por cada descoberta da pequenina.
    Ok. As coisas se renovam. Talvez aí resida o espírito natalino.
    Para coroar, entro em um prédio comercial e lá está um homem vestido de Papai Noel tocando seu sino. Atrás de mim.
    Confesso que me irrita.
    Eis que ele estende a mão e me oferece um pirulito, me diz que estou com um olhar triste e pergunta se vou ao médico.
    Apenas sorrio e balanço a cabeça afirmativamente.
    Ele sorri de volta.


    11:23 da manhã


    15.12.05


     
    SAPATOS x ESTADO DE ESPÍRITO

    Concluí que nossos sapatos falam mais de nós do que imaginamos.
    Não é difícil entender porque algumas pessoas tem compulsão (presente!) por eles.
    Uns são tão lindos e está na cara que são desconfortáveis, mas usa-se assim mesmo.
    Outros, já estão gastos, perderam a beleza inicial, mas são tão confortáveis que é impossível largar.
    Uns e outros te causam bolhas e machucados no início, mas depois viram seus amigos.
    Ontem, ao sair da sessão de análise, me ocorreu uma observação, no mínimo, curiosa.
    É necessário entrar na sala descalço, logo, os sapatos ficam ali enfileiradinhos.
    O da analista na frente - que por sinal era uma mule bege toda bordada em tons beges e marrons mais escuros - e o do paciente logo em seguida - que por sinal era uma sandália daquelas com cara de confortável, pertencentes a uma senhora.
    Assim que chego, doida para me livrar do meu sapato boneca vermelho, vou logo ficando descalça, antes da paciente anterior sair.
    Lógico que o meu sapato não fica enfileiradinho.
    O meu sapato é daqueles confortáveis, mas que machuca de vez em quando...

    Quando acaba a minha sessão, a analista se despede de mim e convida a paciente a seguir a entrar.
    Trocamos um rápido "oi, tudo bem" e eu observo rapidamente a menina.
    É uma moça no início dos seus vinte e poucos. O olhar disfarçadamente inquieto que a impede de olhar nos olhos.
    Está comendo umas bolachinhas.
    Magrinha e de cabelo lisos e pretos, tamanho médio.
    Usa calça jeans folgada, T-shirt branca, bolsa grandona bege e all star branco.
    Tira o tênis e o estaciona atrás da mule da doutora.
    O tênis branco! Como todo calçado de cor clara, está um pouco sujinho.
    Com aquela aparência deliciosa de que é um tênis confortável, companheiro de várias horas, aquele "sujinho" é um charme a mais.
    Penso no que eu e a moça temos em comum.
    Só encontro a coragem que temos de reservar uma hora para entrarmos em contato com nós mesmas.
    Lembro-me que tenho um all star branco, que adoro.
    E uso pouco. Por medo de sujar.
    Saí de lá com vontade de ser como a Juliana - é esse o nome da moça - em relação ao tênis.
    Quero mesmo ser como a Juliana.
    Usufruir. Não ter medo de sujar aquilo que se pode limpar.


    6:03 da manhã



     
    SOBRE O POST ANTERIOR:

    *Onde se lê "muito bom para os outros" substitua por "não saber dizer NÃO".


    CÃO DE ALUGUEL

    - Oi, Clau, tudo bem?
    - Oi, tudo.
    - Estou te achando tão caladinha, venho sentindo falta das suas risadas e gracinhas.
    - Pois é, eu sempre afirmei que os palhaços são as criaturas mais tristes que existem. Basta olhar no fundo dos olhos deles. Eles apenas fingem muito bem para proporcionar alegria nas pessoas...

    CONCLUSÃO: Finja, que o mundo agradece!

    Se eu fizesse um "desperate list":

    1. Mamy munida de uma ultra do rim e com consulta com a nefrologista marcada para hoje. Um veredicto a ser dado.
    2. Membro da família muito próximo a mim com problemas com a bebida. Agressiva, reativa e dizendo ter tudo sob controle.
    3. Treinamento de guerra para tomar o chicote da mão do feitor. Dessa vez, vou guardar o chicote para usar lá na frente.
    4. Além da habitual prostituição no trabalho, o papel de piada não estava nos meus planos.
    Necessidade anormal por um pouco de privacidade, que não virá tão cedo.

    É, eu sou dramática, leonina.
    Problemas todo mundo tem.
    Eu devia agradecer pelas coisas boas?

    Mais do que nunca o lema será: Fingir é (tentar) sobreviver.

    Isso me lembra uma frase do angustiante filme "Oldboy" que me marcou demais, era mais ou menos assim:

    Sorria e o mundo sorrirá com você.
    Chore e chorará sozinho.

    ENQUANTO ISSO NO METRÔ DO RIO DE JANEIRO...

    Não bastasse o serviço pior que o do trem, estou lá, conseguindo, finalmente, ler o meu livro, quando escuto:

    "Next stop, Praça Onze Station"

    O QUE???

    Não agüentei, dei uma gargalhada que algumas pessoas devem ter pensado que ou eu estava incorporando alguma entidade do além ou tendo algum surto psicótico.
    Não importa, eu não consegui parar de rir e algumas pessoas começaram a rir junto.



    5:56 da manhã


    12.12.05


     
    PENSAMENTO DO DIA:

    Quem é muito bom para os outros não presta para si mesmo.

    MUSICA DO DIA:
    The Smiths - Heaven Knows I'm miserable now
    ESTADO DE ESPÍRITO DO DIA:
    Não existe espírito depois de tanta cólera, ira e fúria.
    Amanhã é outro dia...


    5:15 da tarde


    8.12.05


     
    OVO DE SERPENTE

    Como aqui sublimar é permitido (e preciso)...
    Eu queria entender a razão de tanto mal. Queria saber em que momento ele passa a dominar as pessoas.
    Seria "mal" a palavra correta? Não sei ao certo.
    O que justifica atearem fogo em um ônibus com passageiros dentro?
    Demonstração de que tipo de força? Guerra de quem?
    Como se livrar do medo do ser humano que está ali ao seu lado?
    Como andar pelas ruas sem temer a própria sombra?
    Como se sentir à vontade dentro de uma forçosa situação de complacência?
    Não há nada que eu possa fazer mesmo, né?
    Então, relaxa...
    Pois é, só que não consigo...
    Já é fato: A curto prazo 90% da população do Rio de Janeiro sofrerá de alguma fobia social, transtornos, estresse (esse já um velho conhecido mesmo), crises e crises de pânico.
    Queria poder iniciar uma discussão esclarecedora, que trouxesse respostas...
    Mas no que as respostas resolveriam?
    Quem é o culpado?
    O estado, a sociedade, quem acende o baseado, a revolução industrial (?!), todos ou ninguém?
    A menina de 14 anos que faz sinal para o ônibus parar...Vítima ou algoz?
    Nada mais importa... eu só consigo sentir os efeitos dessa realidade.
    O cenário é: Após ler o jornal do último domingo, me pego em uma crise de choro após ver a última declaração da mulher e mãe que morreu queimada junto com sua filha de um ano e meio.
    Ela apenas pediu: Por favor, deixem a minha filha descer... ela é só uma criança.
    Não adiantou...
    Existiriam alguns demônios sorrindo?
    Eu chorei copiosamente.


    4:21 da tarde


    6.12.05


     
    *Ah, sim... o show do Pearl Jam foi muito bom.
    Eu, que imaginava (não sei porque) ter encerrado a minha carreira de freqüentadora de grandes shows no último rock in rio, percebi que "...I still alive..."

    Cantar esse pedaço de "Black" debaixo de um céu mega estrelado foi demais.
    Ainda mais sabendo que meu habitante... Ah, deixa para lá...

    "... I know someday you'll have a beautiful life,
    I know you'll be star,
    In somebody else's sky,
    But why, why, why
    Can't it be, oh can't it be mine?"

    Pearl Jam - Soldier Of Love
    Lay down your arms and surrender to me.
    Oh lay down your arms and love me peacefully. Yea.
    Use your arms for squeezing and please I'm the one who loves you so.
    Oh there ain't no reason for you to declare war on the one who loves you so.
    So forget the other boys because my love is real.
    Come off your battlefield.
    Lay down your arms and surrender to me.
    Yea lay down your arms and love me peacefully. Yea.
    Use your arms for squeezing and please cause that's the way ithas to be.
    The weapons you're using are hurting me bad.
    But someday you're going to retreat.
    Cause my love baby is the truest you've ever had.
    I´m a soldier of love that's hard to beat.
    Lay down your arms and surrender to me.
    Lay down your arms and love me peacefully. Yea.
    Use your arms to hold me tight.
    Baby I don't wanna fight nomore.
    Oh baby, lay down your arms.
    Please baby lay down your arms.

    P.S: tem como não amar minha psicóloga de plantão loucamente? Ela me manda a primeira frase da música acima via torpedo, já que não pôde ir no show.
    Minha resposta: "Don't call me daughter..."
    Resultado: choros emocionados de ambos lados...


    * E no maravilhoso mundo MSNístico:

    Me says: É estranho, me sinto fora de contexto algumas vezes. Não me sinto totalmente dentro de um relacionamento, mas também não me sinto fora. Ao mesmo tempo que pergunto porque preciso do todo, não me contento com as partes. Fora a necessidade de recuperar o "tempo perdido".
    Amigo says: Eu acho que você é o que está vivendo hoje... E que no final, toda experiência é válida.

    Sábios dizeres que estão ecoando na minha cabeça até agora. Já é um amigo especial, embora, talvez, ele não saiba.
    Pensei com meu pijama de bolinhas: Toda amizade, em algum momento, é sacramentada.
    Mesmo que esse momento não seja percebido.
    Quer fazer um teste? Pense em todas as relações que você tem e que lhe são caras de alguma forma...
    Tente lembrar em que momento se deu o "estalar de dedos" que transformou a coisa em algo especial.
    Que delícia de exercício...

    * Você consegue perceber quando uma relação de amizade tende à dualidade?
    Ou toda relação é dual, via de regra? Oh, céus!

    * Momento comédia: Meméia (minha amiga imaginária) passa por mim comendo uva verde sem caroço, dá uma olhada na tela do laptop, continua comendo as uvas e diz:
    - Meu pai... Você cria uma situação onde dificilmente a pessoa vai conseguir escapar... Vai tropeçar nas próprias pernas sem se dar conta... só falta você fazer aquela voz e perguntar "Do you want to play a game?"
    Credo, você parece o Mr. Jigsaw...
    Como o "cerumano" não percebe???
    - Eu: Ah, Meméia, você está me comparando ao perverso de "Jogos Mortais"?
    Então... essa pessoa "enquanto cerumano" está "merecendo" isso aí, hehehe.
    Já que você percebeu, vamos brincar então...
    Eu sou o "Jigsaw" e você é a detetive, tá?

    DO YOU WANT TO PLAY A GAME?

    * E a taxa de creatinina de mamy aumenta...
    Mamy fica triste. Eu interpreto a forte e dou força. Quando ela sai de perto, eu choro escondido (pena que é um choro muito minguado).
    Quando acaba o dia, eu dou um beijo em sua testa e um abraço apertado, muitas vezes ela está dormindo e só sorri.
    Não tenha medo, mamy... Eu estarei do seu lado. E mesmo que você não aceite o que eu já havia falado, eu repito: Meu rim é todo seu.

    P.S: Alguém me dá um abraço? Obrigada


    4:35 da manhã


    3.12.05


     

    Fadinha na versão TPM


    7:31 da tarde



     
    FAIRY...

    Tá pensando o que??? Tenho vários nomes por aí...

    Olha esse, "enquanto" fada: Thorn Willowshimmer

    Well, eu achei apropriado...

    Vejamos os detalhes:

    Your fairy is called Thorn Willowshimmer.
    She is a caster of weird dreams.
    She lives in brambles and blackberry bushes.
    She is only seen when the first flowers begin to blossom.
    She wears purple and green like berries and leaves.
    She has delicate green coloured wings like a cicada.

    Descubra o seu: http://www.emmadavies.net/fairy/


    Pow!

    P.S: Coincidência ou não, a minha fada-tatoo tem asas verdes...


    7:30 da tarde



     
    MY VAMPIRE NAME...

    Pois é... atendo pelo nome de Sultana of Night (huahuahua, tá pensando o que?)

    Mas também sou conhecida em algumas partes do mundo como Aphrodite of the Crows (luuuxooo, ameiiii).

    Dá aqui seu pescoço, meu bem! ;)

    Resumo completo:

    The Great Archives determine you to have gone by the identity: Sultana of Night
    Known in some parts of the world as: Aphrodite of The Crows
    The Great Archives Record: Intelligent, knowing, wise and shrewd. This winged one was cast from the firmament.

    E tenho dito...

    Vai lá e descubra o seu... Só vou te chamar assim daqui para frente!!!

    http://www.emmadavies.net/vampire/default.aspx

    Blood you, blood me!

    :P


    7:06 da tarde


    2.12.05


     
    FRAGMENTOS DA SEXTA CHUVOSA

    Pensamentos e mais pensamentos.
    Lembro-me da brincadeira de escrever nas costas...
    Eu acertei o que ele escreveu e vice versa.
    Quase blefei, fingindo não entender, apenas para que ele repetisse todo o gesto e eu sentisse mais uma vez seus dedos "escrevendo" em minhas costas.
    Mas a ansiedade falou mais alto.
    E ainda perguntei: Aonde você esteve a minha vida inteira?
    E ele percebeu que nunca se deve subestimar o papel de um figurante ou coadjuvante num roteiro. Obsessão fisiológica... É o que sinto agora. Ou penso sentir.
    Palavras voam sem critérios, como essas agora. Coisas de dormir acordada.
    Eu nunca lhe faria mal, por isso você nunca deve dar asas à aspirações românticas...
    Black Eyed. Black Eyed. Black Eyed.
    E a visão mais bela veio da chama de um fósforo barato iluminando aqueles olhos.
    Olhos que tentaram desesperadamente se desviar dos meus, quando cumpria a sua missão.
    O anti herói. O habitante. A oração. A palpitação. As lágrimas. O amargo e o doce.
    P.S: Não só amigos... Também tenho meus delírios e amantes imaginários...


    7:17 da tarde



     
    NINE INCH NAILS

    Ratifico que Betty Faria os dois de vinho. Cof, Cof, Cof...
    Para o de casaco: casa, comida - roupa lavada não que não sou muito boa nisso - cafuné e esse lápis no olho aí borrado com frequência...


    6:26 da tarde



     
    O SOLAVANCO DE TRENT NO AARON...

    Nesse momento do show, minha alma pulou do meu corpo e voltou...
    Até porque eu solavancaria fácil o ser humano que... ahhh, deixa para lá, huahuahua
    E você, quem você solavancaria, meu bem??? ;P


    6:20 da tarde


    1.12.05


     
    Da série: Sinistro, muito sinistro...
    É, estava muito difícil fazer o "serão" mensal ouvindo a música abaixo.
    O que há de tão profundo em nossas almas, hein?
    E será que eu preciso mesmo saber?
    Se não preciso, porque a curiosidade me assola?
    ***suspiros***
    Placebo - Black Eyed
    I was never faithful
    And I was never one to trust
    Borderline and skizzo
    And guaranteed to cause a fuss
    I was never loyal
    Except to my own pleasure zone
    I'm forever black-eyed
    A product of a broken home
    I was never faithful
    And I was never one to trust
    Borderline bi-polar
    Forever biting on your nuts
    I was never grateful
    That's why I spent my days alone
    I'm forever black-eyed
    A product of a broken home
    Broken home
    Black-eyed, black-eyed
    Black-eyed, black-eyed
    Black-eyed, black-eyed
    Black-eyed, black-eyed
    I was never faithful
    And I was never one to trust
    Borderline and skizzo
    And guaranteed to cause a fuss
    I was never loyal
    Except to my own pleasure zone
    I'm forever black-eyed
    A product of a broken home
    Broken home
    Black-eyed,black-eyed
    Black-eyed,black-eyed
    Black-eyed, black-eyed
    Black-eyed, black-eyed
    Broken home
    Black-eyed
    Broken home
    Black-eyed


    4:54 da tarde