Arquivos
  • 08/2005
  • 09/2005
  • 10/2005
  • 11/2005
  • 12/2005
  • 01/2006
  • 02/2006
  • 03/2006
  • 04/2006
  • 05/2006
  • 06/2006
  • 07/2006
  • 08/2006
  • 09/2006
  • 11/2006
  •  
    Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
     
    eXTReMe Tracker

    30.3.06


     
    VOCÊ É O QUE COME?

    Depois de alguns meses comendo "coisas" estragadas, chega a hora da desintoxicação.
    O corpo reclama sem trégua.
    Eu sabia desde o começo que a coisa não seria de fácil digestão, algo como comer buchada de bode, mas insisto assim mesmo.
    Afinal, o ciclo se completa. Digestão, evacuação, etc.
    Apesar de lento, o processo se finaliza.
    Daí percebo que a coisa não é estragada e sim o molho e tempero que coloquei em cima.
    Ninguém mandou ser meio natureba, meio trash.
    Mal comparando: Alguém colocaria catchup em sushi?
    Pois é. Por aí.
    Mas nada de reclamar. Não se deve cuspir em prato que se come.


    5:31 da manhã



     
    Paranoid Android

    Curiosamente, ontem, a sandália de Juliana era idêntica a da analista.
    O mesmo modelo, a mesma loja, apenas cores diferentes.
    Não existem coincidências.
    Existem mil e uma possibilidades.
    Uma análise combinatória, eu arriscaria.
    Eu apenas ri.
    Ri muito.
    E decidi que era hora de aposentar o sapato que eu estava usando, pois o salto já estava escorregadio de tão gasto.
    Puro apego.
    Apego que não preciso.


    5:28 da manhã


    29.3.06


     
    O TAL COMPORTAMENTO PARANÓICO

    Chegaram até aqui procurando por "comportamento paranóico".
    Bom, eu não sou a melhor pessoa para falar sobre isso, pois, certamente atrapalharia as definições e colocaria mais sal na paranóia alheia.
    Mas a questão é que a minha paranóia se mostrou altamente intuitiva até agora.
    E todos os psicólogos com quem conversei até hoje ou cansaram das minhas teses ou não souberam (não, eles não sabem de tudo, não são oráculos) definir a linha tênue que separa a paranóia da intuição.
    Apenas apontaram o exagero. Aquela coisa de deixar de fazer algo em prol de uma teoria paranóica.
    Até porque eu tenho várias. Muitas mesmo.
    Minhas teorias paranóicas ora parecem absurdamente coerentes ora surreais.
    Não acredito no acaso.
    Se as coisas não acontecem no plano inconsciente, com certeza acontecem no muito bem planejado ou no usual.

    Um exemplo?

    Dia desses, no caminho para casa, fui assaltada.
    Logo após uma cerveja rápida com um amigo num boteco.
    Coisa de cidade grande. Rio de Janeiro. Aparentemente normal.
    Nada de grave. Um celular e cartela de ticket refeição no final.
    Todos falam para eu "dar graças à Deus" e eu concordo, procurando refúgio nas condicionais de "poderia ser pior".
    Cômico se não fosse trágico. E vice versa. Mas, tudo bem, vamos ao ponto.

    Hoje recebo fotos de um colega de trabalho que está na Inglaterra.
    Fotos de sua despedida. Infelizmente, não pude estar.
    Típica farra carioca. Boteco pé sujo, mesas e cadeiras na calçada, descontração.
    Olhando fotos aparentemente normais, de conhecidos bebendo, comendo, se divertindo e fazendo poses para os flashes, observo o movimento não visto do restante do cenário.
    Eis que meu coração dispara por segundos.
    A quantidade de vendedores disso e daquilo em volta, em grupos, atrás das mesas, é enorme.
    Deixando a minha "Pollyanice" de lado, reúno dados suficientes para acreditar que "perfis" podem estar sendo observados e "fichas" sendo preparadas.
    Quanto você bebeu, como está indo embora, o que porta.
    Sim, estamos sendo observados.
    Pessoalmente, à distância, virtualmente.
    O que isso muda?
    Nada... somos apenas mais "uns".

    Sim. Eu sou paranóica.
    E vou passar a ter mais compaixão com as minhas possíveis crises.
    Acabo de adotar a paranóia como algo de estimação.


    6:45 da manhã


    24.3.06


     
    O NOME DA COUSA

    "Sinto suas mãos nas minhas , e elas não estão lá. Então, eu odeio você. E sinto suas mãos nas minhas".

    "Posso aprender a viver assim. Com medo da hora, na ponta dos pés, com sangue nos olhos, com ódio no coração, com círculos de fogo em volta. Não me provoque".

    "Nem a sua dor, nem eu o meu cansaço, nem as nossas perdas. Não me pergunte que eu respondo".

    Tudo isso acima e muito mais no estupendo LIVRO NOVO DA FAL

    Vai lá e encomenda logo o seu: DROPS DA FAL
    Por aqui também: livronovodafal@gmail.com


    Fal, querida

    As sensações que o livro me causou:
    Risadas, choros, gargalhadas, prantos, saudades, raiva, arrependimentos, glórias, vontade de comer besteira, de comer coisa saudável, de beber sem ter ressaca, lembrança de como posso cozinhar bem e mal, de ser mais nova, mais velha, menos roteirizada, mais ácida, mais leve, menos contraditória.
    Vontade de ser eu. Esse pacotão não identificado de coisas humanas.
    Não vou deixar a terapia, mas não quero mais saber quem eu sou.
    Se alguém souber, não me conte.
    Tá bom assim!
    Que cousa!

    Te amo!


    6:34 da manhã


    23.3.06


     
    Consciência Inconseqüente

    Volto à médica depois de dois meses e confirmo que perdi dois quilos, já desconfiava pelas calças mais larguinhas..
    O que faço?
    Ao invés de tomar juízo e seguir com a boa conduta alimentar, começo com um pavê de banana de sobremesa, um cappuccino da Kopenhagen e dois saquinhos de amendoim para comer de tarde.
    Depois choro na cama que é lugar quente.
    Quente? Bom, nem sempre...


    Você percebe que a sua vida sexual está pobre quando:

    Não consegue parar de falar em comida...


    8:45 da manhã


    21.3.06


     
    Projeção

    Segundo Tio Aurélio, vindo da psicologia:

    .Psic. Mecanismo de defesa que consiste em projetar seus próprios impulsos, seus conflitos internos, ou seja, em considerá-los como provenientes de outrem e, mais generalizadamente, do mundo externo.

    Quem precisa dela?

    Nos últimos meses, ela só me mostrou que: quem fala muito não faz ou sente em igual proporção.
    Em outras palavras: Cão que ladra não morde mesmo não.
    Os silenciosos são verdadeiros.
    Tá, eu ainda preciso de palavras...
    Para preencher lacunas que só eu mesma vejo.
    Ok, estou tentando e deixando esse hábito de lado.

    So... Enjoy the silence...

    Depeche Mode - Enjoy The Silence
    WORDS LIKE VIOLENCE
    BREAK THE SILENCE
    COME CRASHING IN
    INTO MY LITTLE WORLD
    PAINFUL TO ME
    PIERCE RIGHT THROUGH ME
    CAN´T YOU UNDERSTAND
    OH MY LITTLE GIRL
    ALL I EVER WANTED
    ALL I EVER NEEDED
    IS HERE IN MY ARMS
    WORDS ARE VERY UNNECESSARY
    THEY CAN ONLY DO HARM
    VOWS ARE SPOKEN
    TO BE BROKEN
    FEELINGS ARE INTENSE
    WORDS ARE TRIVIAL
    PLEASURES REMAIN
    SO DOES THE PAIN
    WORDS ARE MEANINGLESS
    AND FORGETTABLE
    ALL I EVER WANTED
    ALL I EVER NEEDED
    IS HERE IN MY ARMS...


    9:41 da manhã



     
    Da série: A riqueza que nós temos, ninguém consegue perceber...

    Clau says: Se vc fosse mais abastado, vc me dava um Ipod de presente?
    Amigo says: Te daria o mundo!
    Amigo says: Mas sou apenas abestalhado mesmo.
    Clau says: hahahaaha, mas é por isso que te adoro. O seu abestalhamento é sua maior riqueza.
    Amigo says: Ignorance is my bliss!

    Por essas e outras eu vejo que preciso agradecer mais do que reclamar.
    Claro que isso não paga as contas, não diminui o mau humor, a irritação e essas coisas todas que vem da falta de grana.
    Embora, mostre que, tirando as projeções dá para ser feliz de madrugada.
    E ainda mais, uma ótima forma de conhecer melhor as pessoas, é seguir o que a fabulosa Surya colocou em seu perfil orkutiano: De perto, todo mundo é bobo.
    Se as pessoas com quem você convive foram realmente BOBAS, você está com tudo.
    E as madrugadas serão mais alegres. Ou os dias...


    9:28 da manhã


    17.3.06


     
    PRIORIDADES

    Quantas nós temos?
    Tantas coisas são importantes...
    Tantas coisas gostaríamos de ter...
    O que realmente importa?
    Trabalhamos que nem burro de carga para depois de pagas as contas, fazermos mais algumas doces dívidas que trarão efêmeros prazeres.
    Até que sou bem simplinha.
    Uma bolsa de lona azul marinho, um chocolate "língua de gato", uma sandalinha da promoção, um CD de hits do New Order, etc já me deixa feliz.
    É isso aí.
    Quando eu começava a sonhar mais fortemente com um "Ipod", recebo um telefonema de mamy dizendo que a geladeira queimou de vez.
    Antes do primeiro rompante em ficar putinha, fez-se necessário um "mini flash back"...
    Em pensar que deixei para trás duas casas com tudo, tudinho dentro, sem fazer questão que as geladeiras entrassem em alguma partilha de bens...
    Tudo bem, chegou a hora de acertar as contas com a geladeira.
    Afinal, eu também tirarei algum proveito dela.
    E mamy ficará feliz.
    Aliás, mamy anda feliz.
    Não sei se pela chegada da geladeira nova ou se pelo fato de ter abandonado o remédio para depressão.


    12:16 da tarde


    9.3.06


     
    A virtuosa da minha especiaria preferida me convocou e lá vou eu:

    Cada bloguista participante tem de enunciar cinco manias suas, hábitos muito pessoais que os diferenciem do comum dos mortais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher cinco outros bloguistas para entrarem, igualmente, no jogo, não se esquecendo de deixar nos respectivos blogues aviso do "recrutamento". Ademais, cada participante deve reproduzir este "regulamento" no seu blogue."


    1) Imaginar uma questão sobre a qual eu gostaria de ter resposta e determinar:
    Se o minuto for par, a resposta é sim. Se for ímpar, a resposta é não.
    Exemplo: Fulano (a) me ama? Se for par, sim. Impar, não.
    Quase nunca dá certo. Mas na hora eu acredito que sim.

    2) Ficar minutos a fio olhando para um céu bem estrelado tentando descobrir desenhos e letras formados pelas estrelas.

    3) Nunca comer olhando para o espelho (comida, que fique bem claro, hohoho).

    4) Não conseguir fazer xixi na frente dos outros.

    5) Beber bastante água assim que acordo.


    E chamo para a minha ciranda:

    Nessa

    Cyn

    Naty

    Seal

    Carol


    9:06 da manhã



     
    TERAPIA DA CABEÇA AOS PÉS

    Eu já havia postado aqui que na minha sessão terapêutica:

    *É necessário tirar os sapatos para entrar na sala;.
    *Existem almofadas no sofá confortável

    Comentei também que observo os sapatos deixados do lado de fora pelos outros curiosos no saber sobre si mesmo.
    Falei da Juliana, a moça do tênis branco com umas sujeirinhas que o deixavam ainda mais bacanas e de como havia aprendido com ela que não devemos temer sujar aquilo que podemos limpar.
    Desde então, não havia mais visto Juliana.
    Ontem, a reencontrei.
    E novamente aprendi algo com ela.
    Desta vez, Juliana usava uma sandália rasteira com tiras finas e bem douradas.
    Um dourado lindo, brilhante.
    Nada perua. Tinha tudo a ver com seus provavelmente iniciados vinte anos.
    Como de costume, o "oi" dela foi bem tímido, olhando para baixo.
    Eis que observei a minha sandália, que, coincidência, tinha salto médio e tiras bem fininhas também, deixando o pé semi nu.
    E observei também a cor, aquela cor de "burro quando foge", ou seja, cor de nada.
    Uma cor que quase some na minha pele muito branca, o único contraste é o esmalte escuro na unha.
    Um pé da sandália estava em pé e o outro deitado.
    Como se um estivesse acordado e disposto e o outro descansando.
    Ou, um sorrindo e outro chorando.
    Percebi que não tem graça ser uma cor que não expressa nada.
    O dourado da sandália de Juliana me remeteu ao brilho do pote de ouro que dizem existir atrás do arco íris.
    Juliana não tem receio em brilhar, ousar e abusar.
    Nem eu terei.
    Faltava cair essa ficha.
    E caiu.


    8:22 da manhã


    8.3.06


     
    Ontem, quando voltava do trabalho tropecei sem mais nem menos.
    O motivo? Vi vários ovos de páscoa sendo arrumados nas Lojas Americanas.
    Putz... numa fração de segundos, era como se a vida, o tempo, o espaço fosse dividido e definido em:

    Carnaval ? Páscoa ? Dia das Mães ? Dia dos Namorados ? Dia dos Pais ? Dia das Crianças ? Natal e Ano Novo.

    Provavelmente esqueci alguma comemoração imperdível.
    Para completar, eu lia a TPM que trata justamente da questão do tempo e de como lidamos com isso.
    Quanto vale o nosso tempo e o que fazemos dele.
    É, eu elucubro e o tempo passa.
    E com o isso ônibus chega.


    4:20 da manhã


    6.3.06


     
    CIRCO
    E o filme vencedor do Oscar foi "Crash", não que seja um filme ruim, muito pelo contrário...
    Mas atropelou o favorito "Brokeback Moutain", porque mesmo, hein?

    A vitória para "Crash" sugere que os eleitores do Oscar se sentem mais confortáveis com uma trama que explora o conflito racial na Los Angeles contemporânea do que com uma história de amor entre dois homens casados.
    Ah, tá...
    E o show tem que continuar...


    12:15 da tarde


    2.3.06


     
    Delícia levinha que peguei do maravilhoso NASCOLCHAS


    Perfil do consumidor, hoje

    Ator: Clive Owen
    Atriz: Natalie Portman
    O que você nunca faria: Se envolve "nunca" acho que fica difícil dizer. Acho que nunca diria nunca...
    Pasta de dente: Sensodine
    Parte do corpo do homem que mais gosta: Dorso e olhos
    Cantora: Cassea Eller
    Homem elegante: Raul Cortez
    Homem bonito: Reynaldo Gianechini
    Mulher bonita: Catherine Zetha Jones
    Comida: Arroz e bife acebolado, beeeem acebolado
    Sonho de consumo: Uma casa
    Coisa que mais gosta de comprar: Sapato e bolsa
    Mulher elegante: Nicole Kidman
    O que você não usaria: cocaína
    Sabonete: De preferência líquido
    O que vc gostaria de fazer hoje: Dormir e acordar em Angra dos Reis
    Que loja você gostaria de assaltar: Godiva, Versace e aquelas ?Toy Stores?
    Tipo de homem: Nerdzinhos
    Defeito: Impulsividade
    Bebida: Smirnoff Ice
    Loja: Várias...
    Refrigerante: Soda diet
    Flor: Girassol
    Revista: TPM (embora já não esteja lá essas coisas)
    Gênio: aqueles de botequim...
    Cantor: Elvis Presley
    Pintor: Tanto faz, desde que pinte...
    O que você não consegue mais ouvir: Depois não reclame...
    Filme que você queria ver agora, sem ter visto antes: Match Point
    Personagem da ficção: Eu???
    Herói: Mulher Maravilha
    Uma das coisas que você gostaria de ter e não tem: Um Ipod
    Caderno Cultural: Gibi da Mônica (huahuahuahua, amei!)
    Programa de TV: Lost
    Lugar que gostaria de conhecer: Itália
    Filosofia de vida: No pain, no gain
    Cena mais sexy do cinema: A primeira transa entre os personagens de Brokeback Moutain (embora tenha muitas outras que poderia citar).
    Que filme você gostaria de rever: Minha vida sem mim
    O que você nunca comeria: Buchada
    Salgadinho predileto: Pastel
    Doce: Quindim
    Diretor: Tarantino
    Quem você gostaria de namorar: My self
    Que livro você está lendo: Goth Chic (esqueci o nome do autor)
    Se pudesse escolher um rosto pra você, qual você escolheria: Clau versão alegrinha
    Animal predileto: Cão
    Verdura: Alface e Chicórea
    Viagem que gostaria de fazer: Conhecer cada cantinho do Brasil
    Presente inesquecível: Uma ampulheta de estrelinhas
    Amor inesquecível: O de mãe
    O que nunca assistiria: Uma fogueira de vaidades
    Jornalista: As Fridas (www.duasfridas.blogger.com)
    Livro marcante: Todos da Clarice.
    Canal de televisão: GNT
    Pessoa engraçada: Alexandre, meu colega de trabalho.
    Ator brasileiro: Osmar Prado
    Atriz brasileira: Fernanda Montenegro
    Como gostaria de morrer: Dormindo
    Caneta: Bic Preta
    Medo: De ter medo
    Frase: Inconsciente atrai inconsciente
    Restaurante: Porcão Rio?s
    Modelo: Kate Moss
    Humor: Pastelão
    Poesia: Várias, inclusive a de poetas errantes, de bar, etc
    Em quem você tacaria uma torta na cara: Bush
    Pedra: Esmeralda
    O maior crime: Pedofilia
    Profissão que despreza: Político
    Profissão que gostaria de ter: Astróloga
    O que gostaria de fazer mas tem vergonha: Quase tudo
    Tatuagem: Borboletas, estrela, lua, fada e gaivota.
    Chocolate: Preto, ao leite
    Santo: Todos do pau oco
    Sonho: Não Aplicável
    Show: Nine Inch Nails
    Time: Flamengo
    Luxo predileto: Massagem
    Coisa deleitável: Massagem, incensos e almofadas
    Jogo de Tabuleiro: Dama
    Dia da semana: Friday... I?m in Love
    Praia ou Montanha: Montanha
    Coleção: De projeções desfeitas...


    11:43 da manhã


    1.3.06


     
    Tá certo que aqui é meu canto de sublimação e quem me conhece sabe o quanto eu tenho tendência a por lente de aumento em tudo.
    Mas o estilo "sorumbatman" está demais até para mim, mesmo sabendo que isso faz parte de minha persona.
    Só que, depois de ler o BLOGGETE e o que a loira escreveu, não tem como não começar a gargalhar e seguir a risca djá.
    Porra, que orgulho dessa mulher...

    Não, jovens, não há mesmo como amar sem a parte de sofrer. Se vinicius está certo, lulu santos está errado. ele grita que se recusa a admitir que amar é sofrer, mas vem o outro e diz que se não tivesse essa dor, ah, se não tivesse o sofrer?Eu leio no blog da moça de 23 anos que ai, se apaixonou e derrubou as defesas, leio na tpm a recusa dos jovens under 28 de cair no precipício do amor, ouço o namorado contar da ex que jovem, via isso nos seus chapas. Mas carinhas, num tem jeito, se for amor mermo, vai ter sofrer. Uma coisa não é = a outra, mas como viver o outro, como saber o outro, como ter a distância do outro, como ter outro como objeto de adoração assim, sem uma dorzinha? Num dá.É, só entende quem namora, agora vambora.

    No meu processo de adultescência, percebo que gasto mais tempo me lamentando do que rindo e usufruindo...
    Ah, para né?
    Vamos tentar o outro lado, porque tá foda...
    Toda repetição de comportamento gera um ganho e se o meu é esse martírio, eu vou ganhar e jogar fora.
    Tá decidido.
    Não prometo em 100% do tempo... mas essa nem é mesmo a proposta.
    Para quem está - pela primeira vez na vida- experimentando dedicar-se a si mesmo, estou perdendo muito, muito tempo.
    De qualquer forma, eu já tinha uma certa desconfiança de que tinha um "Q" de ego nisso tudo aí.
    Tanto de minha parte, como da parte dos Édipos.
    No pain, no gain?
    Ok, só que vou maximizar os efeitos positivos e minimizar os negativos.
    Depois eu conto aqui se consegui...
    E tenho amor para dar...


    3:03 da tarde