Arquivos
  • 08/2005
  • 09/2005
  • 10/2005
  • 11/2005
  • 12/2005
  • 01/2006
  • 02/2006
  • 03/2006
  • 04/2006
  • 05/2006
  • 06/2006
  • 07/2006
  • 08/2006
  • 09/2006
  • 11/2006
  •  
    Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
     
    eXTReMe Tracker

    28.4.06


     
    ESPÉCIMES
    E uma amiga bióloga liquida a fatura...
    Dirimindo qualquer dúvida sobre uma determinada espécie.

    - "enquanto" bióloga... você diria que este ser pertence a que espécime?
    - uma raça entrando em extinção e lutando para sobreviver. Um típico humano "ser superior", sabe que vai morrer, que possui intelecto, porém não se reconhece como animal.
    Julga-se superior à todas as raças e com isso, acha que pode fazer o que bem entende
    - pretensioso eu diria.
    - "Pretensiosus" sapiens.


    11:00 da manhã


    27.4.06


     
    Emocionadamente larapiado das FRIDAS


    O Mito da Maternidade Instantânea


    Não é todo mundo que quer se casar.
    Não é todo mundo que quer fazer doutorado.
    Não é todo mundo que quer morar no exterior.
    Nem todo homem quer ser pai. Nem toda mulher quer ser mãe.
    Algumas mulheres engravidam instantaneamente, em outras a ficha demora um pouco mais a cair - às vezes, só cai semanas depois do exame; outras vezes, semanas depois do parto.
    Para algumas, a maternidade é um sonho acalentado desde a infância. Para outras, um susto, um medo, um desafio.
    Pode ser um desejo alcançado com dificuldade.
    Pode não ser nada disso. Pode ser muito mais.
    Há mães que nascem junto com o bebê, imediatamente, apaixonadamente à primeira vista. Há bebês que precisam ensinar suas mães a serem mães.
    Às vezes, a maternidade precisa engatinhar antes de dar seus primeiros passos.
    Nem todo mundo conversa com o bebê na barriga.
    Não é toda mãe que ama à primeira vista.
    Ser mãe é uma experiência única, irrepetível, inquestionável, impossível de descrever. Tão impossível que muitas mães acabam caindo na armadilha de falar apenas dos aspectos operacionais da coisa (que são complicados, isso todo mundo sabe).
    É que falar da transformação radical que se opera dentro da gente parece inútil - não há quem explique, não há quem entenda.
    Nem toda mãe brinca com as crianças.
    Nem toda mãe quer ter mais de um filho - mesmo que ame profundamente o primeiro.
    Nem toda mãe tem todos os filhos que deseja - às vezes, mulheres também usam a razão, sabiam?
    Quase toda mãe acha seus filhos os mais bonitos do mundo (mas nem isso é regra geral).
    Filhos não nascem para preencher a carência dos pais.
    Não nascem para cuidar da gente em nosa velhice.
    Não são garantia de felicidade eterna.
    Não vêm com o objetivo de nos ensinar, embora a gente aprenda muito mais com eles do que com qualquer outra pessoa.
    Tenha filhos caso queira, necessariamente nessa ordem: amar, gerar, criar. Ou não.
    ...
    Por essas e milhares de outras que o encontro com as minhas virtuosoas me fez renascer.


    12:53 da tarde


    26.4.06


     
    Falta de inspiração... (se é que um dia eu tive)

    Apelo então, para a FAL
    Amada mais que talentosa...

    "Posso aprender a viver assim. Com medo da hora, na ponta dos pés, com sangue nos olhos, com ódio no coração, com círculos de fogo em volta. Não me provoque."


    ...


    11:52 da manhã


    19.4.06


     
    Mais do que nunca, a vontade de jogar fora manuais e ensinamentos sobre educação infantil...
    Não existe sensação mais gostosa do que ser surpreendida no meio da noite com a enorme presença da pequenina e ser abraçada por ela.
    Dormir bem agarradinhas.
    Peço desculpas a todos os ensinamentos que dizem que filhos não devem dormir na cama dos pais...
    ...
    Uma das manifestações de amor/afeto/sentimento mais bela é admirar o sono de alguém...
    ...
    Quando minha amiga imaginária o viu pela primeira vez e ele tentou, em vão, fugir dos seus olhares, ela sabia que um dia teria que fugir de algo, que, na verdade, não quer fugir.
    Em seus pensamentos, ela tem todos os direitos, então, ouve uma das músicas deles, pensa nele e o devora.
    Tal como fizeram algumas vezes. Em pensamentos condizentes.
    E assim, dorme mais tranqüila.


    5:16 da manhã


    16.4.06


     
    Família desestruturada = medo de fins de semana e feriados.


    7:49 da tarde


    11.4.06


     
    Exemplo de modernidade-não-moderna (em minha humilde opinião):

    O mocinho, novinho e acompanhado, e com o visual pesado, mas se sentindo bem com a caracterização, me olha sem parar.
    Eu retribuo os olhares, pois a minha histeria reside aí.
    Meu barato está nesse joguinho de sedução.
    Muitas vezes, como diria Cazuza, "não sou proveito, sou pura fama" e tenho preguiça de ir adiante...
    O mocinho cerca, cerca e numa oportunidade me pergunta: Você beija menina?
    Me vem várias respostas à cabeça, mas preciso ser rápida e como o modo histérica ON está ativado, repondo: depende... você é menina???
    (e olha que parecia...)
    Ele: Errr, não. É que eu estava louco para te beijar, mas você teria que beijar a minha namorada também.
    Eu (para liquidar a fatura): Hummm, que pena, eu até beijaria uma menina como você.

    *** não rolou beijo, não rolaria at all***

    Então é assim o tal pacto de "modernidade/sinceridade/companheirismo"?
    Será que esqueceram das palavrinhas: clima, naturalidade, vontade?
    Que esses lancezinhos para funcionarem (se é que funcionam) tem que ocorrer de forma natural?
    Dois pescadores pescando o mesmo peixe? Intenção é uma coisa, conseguir é outra.
    Deve ser difícil deixar o outro pescar e ficar esperando/olhando, né?
    Vai que se pega apreço pelo peixe... (sim... eu já vi esse filme)
    Lamento informar: Não há investimento sem risco. Há de se correr o perigo.
    Em outras palavras: No pain, no gain...
    ...

    O filme que eu vi com elementos acima foram mais ou menos assim:
    Vai lá e fica com ela...
    Ele foi.
    Gostou.
    Obcecou.
    Praticamente perdeu o caminho de volta.
    Confusão.
    Machucou.
    Regrediu e progrediu.
    Agora tentam apenas salvar a amizade.


    7:00 da manhã



     
    Já se sentiu?

    Como a galinha dos ovos de ouro?

    Sendo tudo e nada ao mesmo tempo?

    Possuindo mais pessoas da sua família fora do que dentro dela?

    Prostituta(o) às avessas, fazendo algo simplesmente por dinheiro?

    Culpada por não sentir mais tanta culpa (redundante assim...)?

    Medo de ter medo?

    Desejando quem não deveria desejar?

    Não desejando nada?

    Querendo abraçar o mundo com as mãos?

    Careta no meio dos modernos e moderna no meio dos caretas? E começando a achar algumas definições de modernidade mais retrógradas?

    Achando um abraço muito mais íntimo do que um beijo?


    ...

    Pronto... 11 quesitos...
    Sempre gostei do número 09.
    Mas tenho visto tanta perfeição no número 11.
    Tenho olhado constantemente para o relógio quando este marca 11:11.
    Pelo sim, pelo não, faço um pedido.
    Dizem que essa hora é mágica, não custa tentar.


    ...

    As vezes, percebe-se que o ganho existente na tristeza não é de todo mal.
    Não mesmo.
    Como derrubar certos paradigmas é bom...
    Para que posar de bem resolvida se isso é pura manipulação?



    6:57 da manhã


    6.4.06


     
    MADE MY DAY

    Se há algo em minha vida em que posso me considerar abastada, com certeza, é em relação a pessoas especiais que existem nela.
    Pessoas que me mostram quem sou, quando o melhor de mim me escapa.
    Tem aquela velha máxima de que: "amigos são a família que escolhemos".
    Para mim, isso é mais que verdadeiro.
    Depois de ver derrubado mais um mito em que acreditava - o mito dos referenciais familiares como base única de equilíbrio - percebo que devemos contar apenas conosco e acreditar na expansão.
    Quando expandimos nossos sentimentos, essa energia vibra atraindo pessoas, experiências e aprendizados.
    Na verdade, são lados diferentes da mesma moeda.

    Eu vinha me sentindo chateada, mas tranqüila, apenas questionando o porque de algumas coisas acontecerem sem a menor necessidade.
    Venho de uma família pequena, que deseja ser unida, mas não é.
    Briguinhas para cá, "trocar de mal" para lá, "gelos" e tudo mais.
    Cansa.
    Como passei muito tempo longe de casa, isso me afetou apenas na infância.
    Sobrevivi. Com algumas cicatrizes, obviamente.
    Quando vejo que essas coisas ainda acontecem, resolvi abandonar a missão de mostrar aos outros que tudo pode ser diferente.
    Esse papel é muito árduo, é como jogar pérolas aos porcos.
    Não estou a fim, repasso, no entanto, meus limites estão impostos.

    Os afagos que recebi sem que as pessoas soubessem o que estava acontecendo e se passando comigo, foi como uma resposta da vida em relação as nossas verdadeiras necessidades.
    Não vinha com vontade de ficar comentando.
    Coisas repetitivas cansam.

    Eis que à noite, recebo um cartão postal vindo da Bahia, com coisas lindas escritas com canetas coloridas (que amo de paixão!!!) e ainda acompanhado de três fitas do Senhor do Bonfim, em cores mais lindas ainda: rosa, laranja e azul.
    Como eu fiquei feliz, me senti amada, especial.
    Minha virtuosa Mônia! Como te adoro e te admiro.
    Minhas virtuosas são minhas pétalas.

    À tarde, já tinha sido agraciada com um convite de um amigo para um almoço seguido de café.
    Em meio a um maravilhoso cappucino misturado com sorvete servido numa taça linda (hahaha, como amo copos bonitos) e um espetacular bolo de cenoura com calda quente de chocolate, me senti aninhada.
    Sem nem contar das minhas misérias.
    Sem fazer o papel de vítima.

    Made my day. Made my day. Made my day!


    10:46 da manhã


    3.4.06


     
    Algumas pessoas são como cebolas...
    Não tento mais descasca-las, pois me fazem chorar.
    E é aquele choro ardido, de cegar os olhos.


    5:26 da manhã


    2.4.06


     
    Nem adianta.
    Eu não levo - mesmo - a sério quem não lava as suas próprias calcinhas/cuecas.


    3:18 da tarde